Veja que interessante, o Instituto Brasileiro de Inteligência de Mercado (Ibramerc) divulgou uma pesquisa indicando que 65% das empresas brasileiras já estão presentes nas redes sociais. Apesar deste número significativo, apenas 7% das empresas consideram que utilizar redes sociais seja algo realmente imprescindível. A maior parte delas encara apenas como uma iniciativa desejável (48%).

A ironia é que o meu post anterior cita uma pesquisa que afirma que “70% dos clientes querem acessar as empresas via mídia social“. Ou seja, temos aí um problema. Os clientes querem muito conversar através das redes sociais, mas as empresas encaram tais ferramentas como algo complementar, não importante e não relevante para seus negócios e relacionamento com os clientes. Tem ruído na linha…

A pesquisa foi feita com 251 empresas.
25% das empresas têm, pelo menos, um funcionário dedicado para cuidar das redes sociais. Já em 42% delas não há nenhum funcionário fazendo exclusivamente esse trabalho, neste caso as redes são atualizadas e monitoradas de forma compartilhada.

A pesquisa reforçou uma tendência já identificada em outros estudos que afirma que o Twitter vem se tornando a principal ferramenta de rede social das empresas, não só pela velocidade, mas principalmente pela facilidade de atualização. O Ibramerc afirma que as redes sociais de maior destaque entre as empresas são Twitter (84%), YouTube (62%) e Facebook (61%).

Tem um dado que me surpreendeu.
44% dos pesquisados alegaram que as redes sociais ainda não trouxeram nenhum benefício para a empresa. Caramba! Este número é alto. Já 45% disseram que o fortalecimento da marca é o maior benefício.

Das empresas pesquisadas, 46% usam as redes para monitorar o mercado, 45% para acompanhar o comportamento dos clientes e 39% para monitorar a concorrência.

A conclusão evidente é que as empresas estão ainda experimentando e conhecendo esta nova plataforma de se relacionar com a sociedade e seus clientes. O problema é que os clientes não querem esperar.

Acesse AQUI o comunicado do Ibramerc.

FONTE: A quinta onda

5 COMENTÁRIOS

  1. Bem, para variar, meus "pitacos":

    Em primeiro lugar, as empresas dão tão pouca importância às redes sociais que sequer se preocupam em colocar um profissional capacitado para isto. Na minha impressão, na maioria dos casos, os contatos das empresas nas redes sociais são feitas por estagiários sem o devido treinamento.

    Em segundo lugar, realmente, as empresas grandes estão lá, só por estar mesmo. Eu, por exemplo, acompanho algumas, mas só algumas como o @tudoextra do grupo pão de açucar, realmente movimenta nas redes sociais, quer seja com promoções, escutando clientes e, fico pasmo, respondendo a dúvidas e sugestões.

    Em terceiro e último, se a internet por sí só é algo visto com ressalva por parte de pequenos e médio empresários (sou Contador e posso atestar isto) imaginem só Redes Sociais. No Brasil a maioria das pessoas conheçe é o Orkut. Facebook e Twitter, para muitos ainda é um ilustre desconhecido, exceto, claro, no meio adolescente e jovem, mas estamos tratando de empresas e empresários.

    O simples uso de SMS, messenger, google talk, etc já assusta o cliente. Eu por exemplo, tentei pedir alguns para seguir meu twitter profissional, mas não houve boa receptividade. Há algum tempo criei um blog voltado para dicas de contabilidade, atrelado a uma conta do twitter. A falta de "ibope" foi tão grande que tive de repensar o projeto que, voltará de forma renovada em 2011.

    Enfim, o Brasil que vivemos, não verdade parece ser povoado por várias "tribos" cada qual com seu dialeto, sendo raros os que tem bom transito entre eles. Nós, você que escreve o Post e eu, por exemplo, falamos linguas parecidas, mas não queira que um dono de Depósito de Materiais de construção que "trabalha da mesma forma há 30 anos e tudo dá certo" entenda-nos.

    No mais, mais uma vez, um ótimo post. Sadio, instigante e reflexivo.

    • Olá Reinaldo, tudo bom?

      Agradeço mais uma vez seu comentário pertinente. Daqueles que acrescentam muito à discussão.
      Concordo com você quando diz que as pessoas mais antigas nos negócios tem dificuldades pra entender as novas tecnologias e como elas funcionam. Porém, eles precisam mudar a forma como encaram isso justamente para poder atingir novos clientes e mercados. Alguns ramos de atuação não precisam tanto desta inovação, mas podem utilizá-las para conseguir novos fornecedores, por exemplo. As mídias sociais estão aí para aproximar ainda mais os clientes das empresas e, também, para encurtar as distâncias entre as reclamações e quem deve respondê-las.

      Quanto a destinação de profissionais capacitados pra isso, acho que as empresas ainda não se atentaram muito pra isso. Elas se preocupam em colocar pessoas que \”entendam\” de internet para controlar o Twitter, Facebook etc., mas se esquecem de colocar lá pessoas que possam realmente ajudar seus usuários.

      Abraço!

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here