O Great Place to Work divulgou no último dia 31/05, no México, a lista das 100 Melhores Empresas para Trabalhar na América Latina. Ponto alto da programação oficial da Conferência Latino-Americana Great Place to Work, a premiação reunirá executivos de empresas do Brasil, Argentina, Chile, Colômbia, Equador, México, Peru, Uruguai e Venezuela. No ranking da Melhores Empresas da América Latina, destaca-se a participação de empresas brasileiras de TI como: Promon, Chemtech, Dell, EMC e Microsoft.

Com a participação de mais de 1.100 empresas da América Latina, a pesquisa se baseia em estudos nacionais dos quais participam nove países, mais de três mil empresas e cerca de 400 mil funcionários. A pesquisa é baseada em duas avaliações: uma com os funcionários, que respondem a um questionário de clima organizacional, voluntário e anônimo, por meio do qual descrevem a realidade de sua empresa e explicam o que consideram único e diferenciado em seu ambiente de trabalho.

A outra avaliação é com a própria empresa, que detalha as suas melhores práticas e benefícios. Há também auditorias realizadas por consultores do Great Place to Work. A avaliação dos funcionários responde por 75% do cálculo da média final da empresa. Esse processo de classificação resulta em um estudo internacional considerado um dos mais importantes do mundo, inclusive porque o Great Place to Work está presente em 30 países.

Brasil entre as Melhores Empresas

Segundo José Tolovi Jr., presidente do Great Place to Work Brasil, o país teve uma participação importante na lista das 100 Melhores Empresas para Trabalhar na América Latina, sendo o primeiro colocado em número de empresas, com a premiação de 30 companhias. “As pesquisas mostram que o interesse e a capacidade das empresas em satisfazer seus funcionários aumenta a cada ano, tendência que demonstra o impacto positivo dessa postura não só na valorização das pessoas mas na rentabilidade do negócio”, afirma Tolovi Jr., acrescentando que um estudo feito pela FGV demonstrou que, nos últimos cinco anos, as Melhores para Trabalhar no Brasil apresentaram retorno 170% acima do Ibovespa.

“Além disso, no último ano as melhores tiveram rentabilidade do patrimônio líquido de 17,8%, resultado bem acima da média das 500 Maiores Empresas do Brasil (11,3%)”, avalia o consultor.

O desempenho da Serasa, maior empresa brasileira especializada em análise de crédito, é um exemplo desse impacto positivo. A empresa, primeira colocada na lista brasileira de Melhores Empresas para Trabalhar no Brasil, tem uma carteira de quase meio milhão de clientes diretos e indiretos, e está envolvida em 3,5 milhões de negócios/dia.

Os resultados – e a própria presença na lista da América Latina – são reflexo de programas como a criação do Grupo Magia do Riso, no qual 40 funcionários ensaiam técnicas circenses todas as quintas-feiras, duas horas por dia e durante o expediente. Acreditar que ninguém é igual ao outro é a lei número 1 da empresa que faturou, em 2005, R$ 565,4 milhões. Entre os benefícios, bolsa de estudo para todos os funcionários na Escola Serasa (supletivo, graduação e pós-graduação), atendimento médico, fonoaudiológico e psicológico.

Outro exemplo é a Promon, 18ª colocada no ranking das 25 Melhores Empresas para Trabalhar na América Latina. No final de 2005, rateou entre os funcionários R$ 4,8 milhões – resultado da divisão de lucros. Mas, o incentivo financeiro é apenas uma das faces do trabalho de gestão de pessoas dessa empresa do ramo de engenharia. As relações de trabalho são menos formais, o horário de entrada e saída é livre (ajustado de acordo com conveniências da equipe) e a política de livre acesso à presidência valoriza a iniciativa dos funcionários.

Os pedidos de reajustes salariais não são mal vistos – há formulários, inclusive, para isso. O programa de miniestágio nas férias proporciona aos filhos dos funcionários conhecer o ambiente de trabalho dos pais. Com um programa diferenciado de apoio ao estudo, a empresa possui hoje 74% de funcionários com curso universitário; desses 17% têm pós-graduação. Em 2005, a Promon faturou R$ 500,1 milhões.

De acordo com Tolovi Jr., as empresas estão percebendo que o bom ambiente de trabalho resulta em mais produtividade e criatividade. “Onde existe confiança, orgulho e camaradagem, as pessoas estão dispostas a dar o melhor de si. Uma das características comuns às Melhores Empresas é que o principal executivo da companhia acredita que são as pessoas que fazem os resultados. Essas empresas falam a verdade, ou seja, têm comunicação aberta nos momentos bons e ruins – tudo é compartilhado de maneira franca, o que produz um caminho de mão dupla. Essas empresas estão dispostas a ouvir críticas dos funcionários”, avalia.

O fato de empresas multinacionais serem premiadas em determinados países e em outros não – a exemplo da Coca-Cola, que atua em vários países, mas foi premiada pela unidade do Chile – significa, na visão do consultor José Tolovi Jr., que apesar de iguais, as práticas de gestão de recursos humanos se diferenciam na implementação e gerenciamento por parte da liderança. “A cultura do país tem pouca relação com o desempenho: o que é determinante é a liderança”, afirma Tolovi Jr.

Prêmios Especiais

A lista Melhores Empresas para Trabalhar na América Latina conta, ainda, com uma premiação especial baseada nas cinco Dimensões do Modelo Great Place to Work de avaliação: Credibilidade, Respeito, Imparcialidade, Orgulho e Camaradagem.

Credibilidade

É a relação construída entre a liderança e seus funcionários, em que a comunicação clara e transparente é fundamental. O destaque nessa Dimensão foi concedido à Colombiana Kimberly Colpapel (Colômbia). A empresa mantém políticas claras, que permitem a promoção de funcionários, e sistema de avaliação de desempenho baseado em mecanismos transparentes e aplicáveis a 100% dos funcionários.

Posição no ranking América Latina: 13ª posição

Posição no ranking Brasil: 2ª posição

Respeito

O Respeito é a maneira como o funcionário acredita ser percebido pela liderança. A base dessa relação é o modo como a organização proporciona um ambiente de trabalho adequado para o desempenho dos funcionários, oferecendo oportunidades de crescimento profissional e reconhecendo o trabalho bem-feito. Cabe à empresa envolver os funcionários nas decisões relevantes e pertinentes aos ambientes de trabalho e às situações que venham a influir sobre o emprego. Avalia-se, ainda, como a empresa respeita o funcionário como indivíduo e lhe proporciona os benefícios devidos.

A Promon (Brasil), ganhadora nessa Dimensão, é a empresa que possui práticas eficientes voltadas aos 620 funcionários. O Programa de Avaliação de Desempenho tem oferecido auxílio a profissionais com desempenho inadequado por meio da elaboração de um plano de melhoria dos resultados, avaliando algumas competências como liderança, trabalho em equipe, disposição para mudanças, visão sistêmica e capacidade analítica.

Posição no ranking América Latina: 18ª posição

Posição no ranking Brasil: 2ª posição

Imparcialidade

Segundo o Modelo Great Place to Work, o equilíbrio entre remuneração e trabalho, e a existência de regras claras para pessoas de diferentes raças, credos e orientação sexual, entre outros fatores, são essenciais para que haja Imparcialidade no ambiente de trabalho. A imparcialidade é uma relação baseada nas práticas da ausência de favoritismo e é percebida pelo funcionário como “jogo limpo”. Além disso, privilegia a existência de canais de apelação e o encaminhamento de denúncias de maus-tratos e injustiças.

A FedEx (Chile) é a empresa vencedora na Dimensão Imparcialidade. A premiação é resultado da política de oferecer a funcionários de todos os cargos os mesmos benefícios, isentando o ambiente de trabalho de favoritismos. A empresa, no Chile, conta com 72 funcionários que têm ajuda financeira para terminar os estudos, entre outros benefícios.

Posição no ranking América Latina: 15ª posição

Posição no ranking Brasil: 1ª posição

Orgulho

O Orgulho é o sentimento importante na relação entre os funcionários e a empresa. A existência desse sentimento gera satisfação na tarefa realizada e faz o funcionário gostar da equipe com a qual trabalha. Quando a empresa demonstra ter responsabilidade social e cidadania – realizando projetos sociais -, por exemplo, estreitam-se ainda mais o orgulho e a admiração dos funcionários pela organização. É nesse momento que surge uma importante união de forças para o sucesso dos negócios.

A J &V Resguardo (Peru) é a empresa vencedora na Dimensão Orgulho. Em 1998, a empresa decidiu melhorar a imagem e transformar o sentimento de vergonha – associado à atividade de empresa de segurança, no Peru – ao sentimento de orgulho. Para isso, a empresa implementou uma série de programas de resgate da confiança. A capacitação profissional foi a chave dessa transformação de cultura. Hoje, a empresa é a companhia de segurança de maior rentabilidade do Peru.O sentimento de orgulho se traduz em lealdade à empresa e melhor ambiente de trabalho.

Posição no ranking América Latina: 9ª posição

Posição no ranking Brasil: 3ª posição

Camaradagem

A Camaradagem é o modo como o funcionário se relaciona com as pessoas no ambiente profissional – reflete a convivência agradável entre os colegas e resulta em um local propício à integração de novos membros, trazendo o sentimento de pertencer a uma comunidade. Nessa Dimensão se encontram as maneiras mais adequadas para a celebração de conquistas. A Starbucks (México) é a empresa vencedora da Dimensão Camaradagem. Em uma recente pesquisa, 70% dos funcionários da empresa responderam que o melhor amigo trabalha com eles. O ambiente de trabalho comprova os resultados da pesquisa – o companheirismo tem contribuído para o excelente desempenho da empresa no México – a rentabilidade da Starbucks cresceu no país.

Posição no ranking América Latina: 11ª posição

Posição no ranking Brasil: 2ª posição

Matéria extraída do site: IT Careers – Convergência Digital

1 COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here