Como uma empresa deve absorver uma crítica na internet – Spoleto x Kibe Loco

Esta semana, uma notícia chamou a atenção de todos na internet. O site de humor Kibe Loco publicou, através da produtora de vídeos “Porta dos fundos” um vídeo, estrelado por Fábio Porchat, onde satiriza o atendimento de um restaurante muitíssimo semelhante ao Spoleto, famosa rede de comida italiana.

O vídeo mostra, de forma engraçada, um atendente estressado maltratando uma de suas clientes, desesperada por não saber o que escolher.

Veja o vídeo abaixo:

Pelo caráter crítico do vídeo, seria normal que a rede Spoleto se sentisse ofendida e tomasse medidas jurídicas para que o vídeo fosse removido do ar e que seus criadores pagassem uma grande quantia de indenização. Mas… não foi isso que aconteceu. Inesperadamente, os executivos da empresa procuraram os responsáveis pelo vídeo e os convidaram para um happy hour, onde declararam oficialmente o interesse em patrocinar, isso mesmo, patrocinar a produtora de vídeos de Kibe. Uma atitude no mínimo curiosa.

Além disso, segundo Antônio Tabet, criador do Kibe Loco, os empresários encomendaram um novo vídeo, dando continuidade ao primeiro, onde sugerem aos clientes denunciarem casos de mau atendimento em suas lojas espalhadas pelo país. É o famoso caso onde uma marca soube transformar um limão em uma deliciosa e divertida limonada.

Veja o segundo vídeo, já patrocinado pelo Spoleto:

Em um caso como este, só podemos tirar o chapéu para a marca que entendeu que o vídeo se tratava de uma brincadeira com um fundo de verdade e que, na melhor das hipóteses, poderia se transformar em um grande aliado para a sua marca no combate aos maus funcionários da rede. Ao final do vídeo, o Spoleto pede desculpas por possíveis casos como o mostrado no vídeo.

Sem dúvidas, é uma atitude muito bacana que deveria ser seguida por muitas outras empresas que levam à justiça casos em que tudo poderia ter sido resolvido em um simpático happy hour, com uma boa rodada de conversa e entendimento. Nos dias de hoje, ser uma marca sisuda que não dá risada da própria realidade pode ser muito perigoso, ainda mais em um mundo tão visto e compartilhado como é a internet.

É preciso saber absorver as críticas e tirar grandes lições delas.