Em uma era em que convivemos diariamente com milhares de informações e temos inúmeros recursos disponíveis, a aquisição do conhecimento, sem dúvida, é o principal fator para obtermos sucesso em qualquer aspecto da vida. E no mundo das finanças não poderia ser diferente.

Conforme explica o professor de Finanças da Faculdade de Economia e Administração da USP, Rafael Paschoarelli, a falta de conhecimento dá ao leigo a ilusão de ter feito bons negócios. Sem estar informada, é provável que a pessoa não saiba onde investir seu dinheiro, quando dispor de uma sobra, e muito menos onde ir buscá-lo, quando estiver precisando.

Também corre o risco de se tornar “uma presa fácil”, ao buscar orientação com as pessoas erradas, que são justamente aquelas com quem vai negociar, pois elas certamente vão enumerar apenas o lado bom da situação, deixando de lado, por exemplo, dados bastante úteis, como o valor dos juros tomados em um empréstimo.

Avalie seu desconhecimento financeiro
A boa notícia, afirma Paschoarelli, é que este mal tão democrático, que pode afligir a todos, independentemente de condição social, raça ou formação escolar, pode ser facilmente corrigido. Para tanto, o primeiro passo é ter humildade o suficiente para notar a falta de conhecimento e identificar o problema.

Neste sentido, o docente propõe em seu livro A regra do Jogo (Editora Saraiva) um questionário para a pessoa detectar o que ele chama de Grau de Desconhecimento Financeiro. Veja algumas perguntas:

  • Você acaba de ganhar um valor maior que a sua renda mensal. Após receber o dinheiro e pagar suas dívidas, sabe responder em cinco segundos onde investir o dinheiro?
  • Se disserem que você precisa poupar, sua primeira idéia é guardar dinheiro na caderneta de poupança?
  • Se o rendimento da sua aplicação render 1% no mês, você já está satisfeito?
  • Você considera o título de capitalização uma boa opção para juntar dinheiro?
  • Você consegue adquirir bens de consumo durável (geladeira, carro, fogão) fazendo prestação?
  • O gerente da sua conta do banco é o seu consultor financeiro?

Conhecimento + Atitude
Já pensou nas questões? Então, se sua resposta foi “não” para todas, com exceção da primeira, você faz parte de um seleto grupo de privilegiados, o dos que detêm o conhecimento financeiro. Caso contrário, é melhor partir imediatamente para o segundo passo indicado pelo autor: adquirir o conhecimento mínimo necessário sobre as regras que governam o mundo do dinheiro.

De nada adianta, no entanto, seguir essa etapa, se ela não for acompanhada de algo tão ou até mais importante do que o conhecimento: atitude, o que requer mudança de comportamento. Como exemplo de falta de atitude ou de uma atitude arrogante em relação ao dinheiro, está o desprezo que algumas pessoas têm por ele.

Geralmente, essas pessoas podem até ser profissionais competentes em suas atividades, mas se revelam bastante displicentes quando se trata de trabalhar em favor do próprio dinheiro. Dizem não ter tempo para cuidar de suas finanças e acabam delegando a terceiros, geralmente ao gerente do banco, o aconselhamento de como investir ou a melhor forma de tomar empréstimo (assunto abordado na última pergunta).

Se esse for o seu caso, é bom rever os seus conceitos, porque isso vai lhe custar muito caro, finaliza o autor.

fonte: Infopessoal

1 COMENTÁRIO

  1. Ótima dica de leitura. Acho que todos deveriam ter um mínimo de conhecimento sobre mercado financeiro. Leitura para isso existe aos montes, basta se interessar um pouco! =)

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here