Fluência em outro idioma, certificados estrangeiros e contato com novas culturas são diferenciais para aumentar suas chances profissionais.


Por Rômulo Martins

Impulsione sua carreira com um intercâmbio. Para ser promovido no trabalho ou ganhar mais, além de perfil comportamental alinhado aos valores da organização, é preciso estar tecnicamente preparado a fim de atender ou superar as necessidades da empresa. Um intercâmbio no exterior pode sanar as possíveis deficiências na carreira e ser a oportunidade de expandir a sua vida profissional. Porém, saiba escolher o país e o curso adequados ao seu perfil e à demanda de mercado. “O intercâmbio profissional não é uma viagem de turismo, é um desafio”, avisa Adriana Covelo, diretora da Bex Intercâmbio Cultural.

Os benefícios do intercâmbio no exterior vão além da fluência em um idioma estrangeiro. O contato com outra cultura proporciona uma experiência de vida que fará diferença no dia a dia corporativo. “Existe a necessidade de se adaptar a costumes diferentes e isso leva a um crescimento pessoal que, certamente, será sentido no campo profissional”, afirma Daniel Zipman, diretor do Centro Latino de Línguas.

Aos que optam por realizar cursos de aperfeiçoamento ou especialização no exterior há ainda o diferencial do diploma estrangeiro. Sem dúvida, é uma forma de manter-se competitivo. “O profissional aprende a ser mais flexível, adaptável, a lidar com experiências novas. Por isso, poderá ser mais bem-sucedido, já que estará preparado para os desafios do mercado de trabalho, destaca Adriana.

Após decidir, negocie

O profissional que deseja conhecer outro país para dar um upgrade no currículo deve refletir antes sobre o momento que vive na carreira. Se você sente que está em fase de crescimento profissional, com novos projetos a serem desenvolvidos ou em fase de implementação, talvez seja melhor adiar a viagem.

Ao contrário, se a sua carreira encontra-se estagnada e você reconhece a necessidade da fluência em outro idioma, de uma especialização ou um curso de aperfeiçoamento em escolas estrangeiras a hora é agora. Aproveite as férias do trabalho e invista em sua formação. Caso haja necessidade de ficar uma temporada mais longa no exterior, negocie um período de licença sem remuneração. Hoje existem empresas brasileiras que custeiam parcial ou integralmente a viagem do funcionário ou contratam-no de novo quando retornam ao Brasil.

O pedido de demissão é indicado nos casos em que a organização não está disposta a negociar o afastamento. Nesse caso, é melhor ausentar-se por um tempo do trabalho para investir na formação profissional que perder o emprego e ficar à deriva por estar aquém das exigências de mercado.

O que você quer

Antes de se aventurar em outro país é preciso saber quais são os seus interesses e conhecer as suas reais necessidades. Planeja-se e tenha foco. Segundo Adriana Covelo, da Bex, o profissional que não domina o idioma estrangeiro precisa ficar pelo menos seis meses fora para estudar a língua. Para quem já tem um bom nível de inglês três meses são suficientes.

Se o intuito for realizar especialização ou um curso de aperfeiçoamento talvez seja necessário ficar uma temporada maior no exterior. Nesse caso, o profissional pode conciliar estudo e trabalho para ajudar a custear a viagem. Contudo saia do Brasil com o visto de estudante que lhe dê permissão para trabalhar no exterior. “Trabalhe, mas não perca de vista seus objetivos iniciais. É o certificado que vai para o seu currículo”, aconselha Adriana.

Daniel Zipman, do Centro Latino de Línguas, recomenda aproveitar a oportunidade para fazer networking. “Viaje com a mente aberta, faça contatos, conheça pessoas. Com certeza isso será de grande valia para o seu futuro profissional.”

Leia também:Não basta só arrumar as malas

Fonte: Empregos.com.br

2 COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here