A matriz GE, também conhecida como Matriz McKinsey, foi criada na década de 70 durante a criação de um projeto realizado na empresa General Eletric. Da mesma forma que a Matriz BCG, esta matriz tem como objetivo realizar a análise do portfólio de produtos ou negócio e sua participação no mercado; porém acrescenta 5 quadrantes que nos permitem uma análise mais aprofundada em função do seu nível de atratividade e força competitiva.

Diferentemente da Matriz BCG, que tem como objetivo a análise em quatro quadrantes  através de eixos nomeados como “participação de mercado” e “crescimento de mercado”, a Matriz GE possui 5 quadrantes a mais (então no total são 9 quadrantes), formados pelos eixos que avaliam “atratividade” e “força competitiva” em baixa, média e alta intensidade.

matriz ge

Para fazermos a classificação correta nos quadrantes em relação à sua intensidade é necessário conhecer alguns fatores que influenciam diretamente a unidade de negócios.

Fatores que influenciam a atratividade:

  • Tamanho do mercado em que o tipo de produção é oferecido;
  • Preço praticado para este produtos e tendências;
  • Oportunidade de crescimento;
  • Rentabilidade do negócio/produto;
  • Distribuição logística.

Fatores que influenciam a força competitiva:

  • Força da marca;
  • Força da empresa;
  • Fidelidade dos clientes;
  • Capacidade de inovar.

Como interpretar as classificações da Matriz GE?

Pronto, agora que você já sabe como é a estrutura da Matriz GE, quanto aos eixos de atratividade, força de mercado e classificação das intensidades se baseando nos fatores que as influenciam, é hora de interpretar a matriz e entender qual estratégia, de maneira geral, deverá ser seguida:

a) Força Competitiva Alta + Atratividade de Mercado AltaInvestimento Prioritário
Isso quer dizer que as unidades dessa área (ou os produtos desta área) são o motor de crescimento do negócio e por isso devem receber total atenção e a maior parte dos investimentos.

b) Força Competitiva Média + Atratividade Mercado Alta ou Vice-VersaInvestimento Seguro e Crescimento
Neste caso, um produto que esteja alocado neste quadrante deve ser interpretado como algo em que a empresa deverá investir uma parte do seu capital, com o objetivo de torná-lo futuramente um investimento prioritário.

c) Força Competitiva Alta + Atratividade Baixa ou Ambos MédiosInvestimento Seletivo/Cauteloso
Para este tipo de negócio só é seguro investir se houver capital excedente dos investimentos prioritários, pois o risco dessas unidades aumenta consideravelmente.

d) Força Competitiva Média + Atratividade Baixa ou Vice-VersaExpansão Limite/Colheita
Neste caso, se a unidade estiver rendendo lucros (mesmo que minimamente) vale a pena manter um investimento padrão para continuar operando. Caso contrário, deve-se planejar a sua saída.

e) Força Competitiva Baixa + Atratividade BaixaZona de Perigo/Desinvestir
Para este tipo de classificação é necessário buscar a melhor forma de que o investimento seja desfeito para que as perdas sejam reduzidas, pois as perspectivas futuras são negativas.

Como vimos, a Matriz GE é de fácil uso porém mais completa e complexa se comparada à Matriz BCG. A utilização desta ferramenta traz uma análise mais robusta e detalhada que permite que os gestores compreendam melhor os resultados e a atuação das unidades de negócio baseando-se na atratividade do mercado no qual operam.

E você, já tinha ouvido falar sobre esta ferramenta? Já teve alguma experiência trabalhando com a Matriz McKinsey? Não deixe de nos contar nos comentários.

Bons estudos e até o próximo post! 🙂

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here