[VÍDEO] O APRENDIZ – Roberto Justus demite participante por falta de ética profissional

Esta temporada do O Aprendiz – O Retorno, da Rede Record, está dando o que falar. Principalmente no episódio mais recente, exibido na noite de quarta-feira, 20 de novembro. Em meio a uma ação para promover a cerveja Itaipava nas praias do Rio de Janeiro, os participantes da equipe Flecha, perdedora da prova, foram pegos de surpresa por uma atitude inaceitável de um de seus participantes.

Roberto Justus, na sala de reunião, não perdoou a falta de ética do participante, dando uma aula de como não se deve desrespeitar as leis brasileiras e como não se deve jogar sujo para tirar vantagem em uma competição. Em uma das salas mais polêmicas de todo o Aprendiz, Roberto Justus tomou uma posição dura e severa para punir tal atividade ilícita.

Recomendo que todos assistam ao vídeo e percebam o quão grave pode se tornar uma atitude impensada em um momento de stress, pressão etc. Dê o play no vídeo abaixo e confira o que Roberto Justus falou ao participante e o desfecho que a história tomou.

http://www.dailymotion.com/video/x17giyz_aprendiz-o-retorno-episodio-10-20-11_shortfilms

Mesmo com todas as imagens contra sua palavra, o participante ainda afirmou que Roberto Justus foi muito injusto com ele. Em entrevista, ele afirmou que o apresentador foi sua maior decepção. Por outro lado, Justus manteve sua postura rígida e disse estar triplamente decepcionado com a conduta de um participante que ele considerava como sendo um dos mais fortes desta edição.

Como todos nós sabemos, a ética é um dos princípios mais importantes que um profissional precisa ter para construir uma carreira de sucesso, pautada no respeito às regras pessoas e da empresa, e às pessoas e no seu comprometimento com a sociedade ao seu redor. A ética é o pilar principal da vida de uma pessoa, seja ela administradora ou não. É preciso ser ético para ser justo e ter uma conduta profissional adequada.

E você, concorda com a atitude tomada por Roberto Justus ou acha que ele foi severo demais? Se fosse em sua empresa, como você lidaria com um funcionário que age contra as leis brasileiras e da sua empresa? Deixe um comentário abaixo, participe!