O que é Geoeconomia? Entenda como afeta os mercados globais

Na hora de abrir e gerenciar um negócio é importante ter um registro de domínio, uma hospedagem de site e uma presença digital. Isso é essencial para qualquer projeto online ou empreendimento se tornar competitivo e impactar o público-alvo.

Ainda assim, é nesse atual cenário digital, em que a internet é onipresente que o conceito da Geoeconomia pode ser bastante útil para quem almeja compreender como se comporta o mercado global.

Um exemplo disso são os negócios internacionais onde um cliente do Brasil, por exemplo, pode comprar um produto na Ásia e pedir para ser entregue na Europa. Ou vice-versa. 

A Geoconomia é um conceito que diz muito sobre como os países, em um mundo globalizado, atuam nesse tabuleiro de xadrez chamado mercado. Sendo assim, para entender mais sobre esse assunto vale a pena acompanhar os tópicos a seguir. 

Geoeconomia – Um contexto histórico

Geoeconomia, à primeira vista, pode até parecer o sinônimo de geopolítica, mas a situação não é bem assim. A geopolítica consiste basicamente em um estudo da geografia física e humana na política e nas relações entre os países.

Ela ganhou força no decorrer dos séculos XIX e XX, em que se tornaram visíveis as estratégias de poder político entre os países, especialmente quando o mundo se tornou o palco de duas grandes guerras. 

Após o término da Segunda Guerra Mundial, as zonas de influência da Terra (para o bem do planeta, pelo menos) passaram a ser disputadas nem tanto pela ameaça das armas, mas sim pelo jogo da influência econômica. 

Entretanto, é neste terreno que floresce a Geoeconomia, que é o estudo dos aspectos políticos da economia e do uso de recursos naturais. Ela também pode ser vista como a utilização da influência econômica por parte das nações para atingir objetivos políticos.

Um exemplo da atuação da Geoeconomia são as multinacionais. Essas empresas são instrumentos para os mais diversos países exercerem influência em outros territórios. 

Na Europa, por exemplo, encontramos diversas grandes empresas como a espanhola Airbus, a Volkswagen, a Renault e outros grandes players do mercado global.

A Ásia ataca com as coreanas Hyundai e a Kia. Já o Japão tem a Toyota que até criou processos de produção e gestão. Por outro, temos o gigante dragão asiático (China) com um poderio comercial imenso.

Enquanto isso, na América Latina temos a Embraer, aqui no Brasil, e a Avianca na Colômbia. Os Estados Unidos, por sua vez, é o país da Ford. 

Todas essas grandes marcas representam uma peça importante no mundo dos negócios e movimentam diversos mercados, não se resumindo apenas às suas áreas de atuação primária. 

Terra de Gigantes – A Geoeconomia nos mercados globais

No mundo das grandes empresas, o conceito da Geoconomia é muito importante, pois mostra como são os bastidores do mercado global. A ideia em si é expandir os seus mercados e consequentemente obter mais poder econômico e domínio dos Estados em meio a uma guerra comercial.

Desde que a palavra “globalização” se tornou frequente no nosso dia a dia, a Geoeconomia passou a se tornar ainda mais relevante. Na prática, quando a Geoeconomia afeta os mercados globais, ela também exerce influência em vários setores da sociedade, inclusive nos setores culturais. 

Um exemplo disso é a atual indústria cinematográfica norte-americana. Hollywood percebeu que abocanhar o mercado asiático, especialmente a China, é importante para impulsionar as bilheterias dos filmes. 

Por essa razão, o mercado chinês vem se tornando um dos principais parâmetros para avaliar o desempenho das produções cinematográficas dos EUA.

Outro exemplo é a própria digitalização do nosso dia a dia e das empresas em geral. A necessidade também de ter um site e um domínio é um reflexo do avanço das ferramentas digitais desenvolvidas pelas gigantes do setor de tecnologia.

Muitas empresas podem atuar e ter sua presença em outros países por meio de ferramentas digitais como é o caso de sites e a produção de conteúdo localizado. 

Geoeconomia e a ESG 

Hoje em dia, em tempos de Geoeconomia, as nações disputam espaços em todo mundo para o desenvolvimento. Com isso, vem a preocupação com as questões ambientais e sociais. Sendo assim, surge o conceito conhecido como ESG, cada vez mais importante nas empresas.

A ESG é a sigla para o termo em inglês para “Environmental, Social and Governance”. Em português ela significa “meio ambiente, social e governança”.

Na prática, os três pilares da ESG possuem o intuito de avaliar as iniciativas realizadas por empresas em prol da sustentabilidade e de causas sociais. 

A ESG é muito importante para o segmento das indústrias e das empresas, afetando com isso o nosso dia a dia. Abaixo vamos entender mais sobre os pilares da ESG.

E de environmental (meio ambiente)

Tendo como base o conceito de proteção ambiental, é importante que as empresas adotem maneiras para reduzir os impactos das suas atividades no meio ambiente. Isso pode ser realizado utilizando, por exemplo, equipamentos que consomem menos energia.

Outra maneira, nesse sentido, é a adoção de ações sustentáveis como, por exemplo, a reciclagem e o gerenciamento adequado de emissão de gases.

S de Social

Além das práticas voltadas para a preservação, a aplicação da ESG nas empresas conta também com a adoção de medidas de caráter social. Desse modo, é pertinente realizar campanhas educativas sobre o tema, bem como o treinamento frequente dos colaboradores. 

É pertinente também determinar alguns objetivos que guiam as metas dessas ações.

G de Governança Corporativa

Quando se fala em sustentabilidade, a Governança Corporativa implica em ações de caráter administrativo, como, por exemplo, transparência na prestação de contas, incentivo ao convívio harmonioso entre os funcionários e o compromisso com os valores da empresa.

Geoeconomia e a importância da análise de dados

A Geoeconomia afeta os mercados globais e também influencia na gestão de uma empresa, seja ela um pequeno, médio ou grande porte. Isso tem muito a ver também com a questão do Big Data, ou seja, do Grande Volume de Dados.

Empresas como o Google, por exemplo, possuem mecanismos para coletar dados. Essa característica é crucial para o desenvolvimento de estratégias de Marketing Digital, bem como para uma melhor compreensão do perfil dos consumidores e usuários em cada região do mundo.

Hoje em dia já existe, tanto no Brasil como em outros países, a LGPD (Lei Geral da Proteção de Dados). Ela traz limitações e normas a respeito das coletas de dados dos usuários. 

A LGPD é um avanço para a segurança e privacidade dos consumidores, mostrando o quanto as ferramentas digitais e a análise dos dados são importantes para a economia dos países.

Nesse contexto moderno da geoeconomia, saber trabalhar com dados de forma positiva é mais que essencial. E tudo isso obriga as empresas adotarem práticas de Business Intelligence em um cenário onde o Big Data ganha ainda mais relevância.  

O mundo é um imenso mercado

Passando por duas guerras mundiais, passando também sobre os destroços do muro de Berlim, a Geoeconomia ganhou força ao longo dos anos e vem influenciando de forma significativa os mercados globais na era digital.

Hoje em dia, surfando nas ondas dos algoritmos, as empresas se apoiam no Big Data para pensar e colocar em prática as mais diversas estratégias de Marketing Digital.

Ter um registro de domínio, um site e investir em presença digital é o básico para uma empresa, de qualquer porte e segmento, se manter relevante nesse mercado influenciado pela Geoeconomia.