O que é o Aporte de Capital de Risco? Como conseguir um?

O número de empresas que são abertas por dia, em todo o mundo, é algo astronômico. Porém, como todos sabemos, muitas delas morrem logo no início por falta de muitos fatores importantes à sua “saúde”. E, talvez, o mais importante deles seja o investimento financeiro.

Uma forma de sanar este tipo de problema e ainda prover um retorno significativo para seus investidores é o Aporte de Capital de Risco. Mas você sabe mesmo o que significa esta prática? Vamos descobrir juntos!

O que é o Aporte de Capital de Risco?

Uma modalidade de investimento que visa o crescimento rápido de uma empresa, através da compra de uma participação acionária (quase sempre minoritária), com o objetivo de multiplicar o investimento inicial de forma rápida. De maneira geral, tais investimentos são feitos em empresas novas no mercado, as chamadas startups. Porém, alguns investidores preferem confiar seu dinheiro a idéias ainda não colocadas em prática, o que gera um risco evidente, por isso chamado Aporte de Capital de Risco.

Este tipo de investimento se faz necessário aos empreendedores que não dispõem de capital para alavancar o seu negócio, ou mesmo colocá-lo em prática. Além disso, o Aporte de Capital de Risco financia a expansão da empresa de forma a trazer ainda mais recursos para seu funcionamento, visando o aumento rápido do lucro desta.

O papel do investidor de risco vai além de apenas pôr dinheiro no negócio, ele também ajuda a empresa a se posicionar melhor no mercado, fazer novos contatos importantes e ter uma imagem melhor frente aos clientes e concorrentes. A parceria entre as duas partes deve funcionar de forma plena, só assim a empresa gera bons frutos para ambos os lados.

Os resultados destes investimentos

Resultados do relatório publicado pelo World Economic Forum (WEF) e do “Venture Impact” da National Venture Capital Association (NVCA), apontam dados interessantes sobre o impacto desta atividade na economia. Segundo estes relatórios empresas investidas por fundos de venture capital:
  • Apresentaram elevados padrões de governança;
  • Utilizaram melhor o recurso para inovação tecnológica;
  • Focaram melhor suas política de P&D;
  • São fortes geradoras de receita e empregos qualificados; e
  • Preenchem uma lacuna importante entre a produção científica de um país e sua apropriação para a sociedade.

Isto prova que o investimento em startups é muito importante para o desenvolvimento e sustentação destas empresas no longo prazo. Elas precisam de fôlego, e os investidores de lucros, por isso esta união de idéias é tão bem vinda nos mercados hoje em dia.

Investimento não é tábua de salvação

É preciso que os empreendedores tenham em mente que para conseguir um bom investidor é preciso que sua idéia já esteja funcionando e dando certo. Um investidor de risco, calejado do mercado, não vai apostar suas fichas em uma empresa à beira da falência, que vende produtos normais em um mercado comum.

Sua empresa precisa ser diferenciada, com uma proposta diferente e que já esteja rendendo bem, gerando empregos e lucros. Você precisa mostrar que precisa do investimento para expandir o seu negócio, e não para salvá-lo da beira do penhasco. O investimento é o caminho para se chegar ao sucesso e não a tábua de salvação da empresa.

Você pode pegar um investimento quando precisar alavancar rapidamente o negócio, através de desenvolvimento e/ou aquisição de novas tecnologias de produção, contratação de pessoal especializado, investimento pesado em marketing, aquisição de equipamentos e instalações etc. Desta forma, você estará ganhando escala rapidamente, saindo na frente de seus concorrentes e despontando no mercado que atua ou que quer alcançar.

Como conseguir um investimento?

Existem algumas formas de se conseguir este tipo de investimento no Brasil, as mais famosas são:  Fundos de Investimento, Investidores Anjo, empresas de Venture Capital e os investidores de Capital de Risco. Cabe ao empreendedor avaliar qual será a melhor opção para o negócio, escolhendo entre os investidores que tragam maiores benefícios para a empresa.

A relação investidor-empresa precisa ser sempre clara e com objetivos bem definidos. Você está criando uma sociedade em que as duas partes tendem a ganhar, por isso, escolha bem o seu investidor, leia e releia os contratos e esteja ciente dos riscos que pode correr.

Para conseguir o tão sonhado investimento, você precisa apresentar um Plano de Negócios de sua empresa. Um documento com as principais informações sobre seu negócio, como foi constituída, o que e como faz e, principalmente, como você pretende posicioná-la no futuro, com quais tipos de investimentos, em quais áreas etc.

Este post trouxe apenas uma visão geral sobre o assunto, mas  é possível discutir muito mais sobre ele, com diversas outras ressalvas e perspectivas. Pretendo voltar ao tema aqui no blog, fiquem ligados! Não deixem de comentar, também.