Para ter qualidade nos processos, é preciso planejar

Muitas vezes, no decorrer de nosso dia, fazemos muitos planejamentos sem nem mesmo perceber. Nas atividades que julgamos mais simples de se fazer, estamos planejando. Na rotina do dia-a-dia, quando acordamos, lanchamos, nos deslocamos para o trabalho e outras atividades corriqueiras, estamos executando um planejamento previamente estabelecido.

Estas atividades que realizamos são caracterizadas como processos. E para que tudo ocorra como esperado, além planejar corretamente, precisamos também conhecer muito bem estas atividades: sua finalidade, tempo de duração, custo, objetivo etc. Analisando estes processos sob a ótica do mundo corporativo,  temos o que chamamos de mapeamento de processos.

E no sistema de Gestão da Qualidade, as atividades são planejadas de forma sistemática para garantir que os processos fluam corretamente e de forma constante, a fim de atingir os objetivos pré-estabelecidos no planejamento incial.

Abaixo comentamos sucintamente alguns dos tipos de planejamento mais conhecidos, acompanhe:

Planejamento de Ações Preventivas

Planejamento realizado para antecipar-se aos problemas que venham a surgir durante a execução das atividades. Evita que as não conformidades aconteçam. É importante uma vez que o tratamento de problemas envolve um custo bem maior do processo. Assim, prevendo os problemas é mais fácil evitá-los, evitando também que os custos do projeto sejam maiores do que o planejado.

Planejamento de Melhoria de Processos

O planejamento de melhoria nos processos permite detalhar as etapas que envolvem o processo, permitindo a identificação do local exato onde ocorrem as falhas, onde precisa ser melhorado e o que precisa ser mantido. Desta forma, o gestor é capaz de administrar melhor os seus processos, agindo exatamente onde é necessário.

Planejamento de Ações corretivas

Planejando ações corretivas é possível programar-se para eliminar de forma definitiva as causas das não conformidades. Estas ações são implementadas para corrigir algum defeito do planejamento ou mesmo das atividades. É fundamental para que o objeto do processo chegue ao seu final da forma como foi estabelecido, sem erros.

Assim, o ato de planejar, tanto no lado pessoal, quanto no profissional, permite um desenvolvimento contínuo dos processos, de forma hábil e organizada. Planejando e conhecendo os processos e suas variáveis, os resultados esperados serão mais favoráveis e contínuos.