BRASÍLIA – O Superior Tribunal de Justiça (STJ) deve julgar nesta quarta-feira dois recursos contra a Caixa Econômica Federal e o banco Real de poupadores que alegam ter sido lesados pelos planos econômicos Bresser, Verão, Collor I e II. Os investidores contestam a correção monetária paga pelos bancos por depósitos em poupança à época dos planos.

O plano Bresser, lançado em 1987 pelo então ministro da Fazenda, Luiz Carlos Bresser Pereira, congelava por 60 dias preços, salários e aluguéis para conter o déficit público – a diferença entre o que o governo arrecada e o que gasta – e a inflação. Uma das medidas decidida pelo Banco Central foi que os valoresaplicados em cadernetas de poupanças deveriam ser corrigidos pela Letra do Banco Central (LBC) que, à época, atingiu 18%.

Um decreto, no entanto, determinou que a correção das poupanças deveria ser feita levando em consideração a LBC ou a inflação, o que atingisse o maiorvalor em junho de 1987. À época, a inflação chegou a 26,06%, sendo maior que a LBC. As instituições financeiras, no entanto, corrigiram o índice das cadernetas pela LBC, causando perda de 8,04% para os poupadores.

Situações semelhantes ocorreram com os planos Verão e Collor I e II. O plano Verão foi lançado pelo ministro da Fazenda que sucedeu Bresser, Maílson da Nóbrega, em 1989. Para conter a inflação dos anos 1980, que chegava aos quatro dígitos por mês, o governo lançou uma lei que modificava novamente o índice que atualizava o rendimento a poupança, congelava preços e salários, criava o Cruzado Novo e extinguia a Obrigação do Tesouro Nacional (OTN), um índice de correção monetária. Neste caso, as perdas das cadernetas de poupança chegaram a 20%.

O plano Collor I, lançado em 1990, bloqueou por 18 meses os saldos das contas correntes, poupanças e demais investimentos com mais de 50 mil cruzeiros. O plano Collor I acarretou perdas de quase 45% aos poupadores e investidores, já que os bancos não promoveram o crédito referente à correção monetária devida.

Em 1991, foi a vez do plano Collor II aumentar impostos, juros, extinguir fatores de correção monetária, congelar preços e salários na tentativa de conter a inflação. Novamente a tentativa resultou em perdas, de 21%, para os investidores quando os bancos não pagaram a correção monetária devida.

FONTE: Portal Terra

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here