Não tem certeza se deve incluir em seu currículo trabalhos voluntários? Preocupado se isso não vai ser levado a sério por potenciais empregadores? Pois é melhor pensar bem nessa decisão.

Uma pesquisa de 2013 da consultoria Deloitte mostrou que quatro em cada cinco diretores de recursos humanos prestam bastante atenção a experiências adquiridas em trabalho voluntário na hora de contratar.

Talvez a pergunta certa não é: devo incluir trabalho voluntário? Mas sim: como devo fazê-lo?

trabalho voluntario

Relevância

Suzanne Lucas, ex-diretora de recursos humanas e hoje blogueira, sugere que todas as atividades do currículo sempre tenham alguma relevância para o cargo disputado.

Se você quer uma vaga de professor e já atuou como escoteiro voluntário, isso interessa.

“Mas se você é um contador pedindo emprego, dar detalhes de sua atuação entre escoteiros vai fazer o recrutador pensar: ‘ele vai querer ir embora mais cedo do trabalho para se dedicar a isso’.”

A não ser que o contador em questão estivesse se voluntariado para fazer a contabilidade dos escoteiros, a experiência deve ficar de fora do currículo, segundo Lucas.

Seja específico

Ninguém quer ver uma lista enorme de organizações onde você trabalhou. Só vendo a lista, não é possível saber se a sua experiência foi relevante ou se você só estava lá colando selos em cartas.

Nicole Williams, especialista em carreiras da LinkedIn, sugere que os candidatos deixem detalhado o que fizeram de relevante em cada instituição que listarem.

Mark Zafra, diretor de uma empresa de serviços financeiros, recomenda que dar destaque para resultados que podem ser medidos em números. Ele recomenda que o candidato seja o mais específico com números possível, com frases como “ajudei a construir duas casas” ou “treinei 24 pessoas”.

Faça a lição de casa

Se você sabe o nome de quem vai entrevistá-lo para o emprego, tente aprender o máximo sobre essa pessoa antes da entrevista. Se seu trabalho voluntário tem alguma relação com coisas que interessam essa pessoa, suas chances de causar uma boa impressão são melhores.

Williams conta o caso de uma pessoa que estava escolhendo entre dois candidatos. Ao olhar o perfil no LinkedIn dos dois candidatos, um havia listado seus trabalhos voluntários e o outro não.

A pessoa com trabalho voluntário na Sociedade Americana pela Prevenção da Crueldade contra Animais acabou ganhando o emprego porque o responsável por contratá-lo gostava de animais.

Mídias sociais

Adam Lloyd, presidente da empresa Webber Kerr Associates, que contrata executivos, disse que cada vez mais os administradores estão olhando para o perfil online de seus candidatos, sobretudo em plataformas de mídia social para aprender mais sobre os indivíduos.

Incluir informações sobre trabalho voluntário nessas plataformas é uma boa ideia. O LinkedIn tem uma área específica para que as pessoas listem apenas experiências com trabalho voluntário.

“Do ponto de vista de quem contrata, o trabalho voluntário está na categoria de atributos ‘intangíveis'”, diz Lloyd. “Ele dá uma dimensão extra e uma percepção de que o candidato é completo, o que dá um empurrãozinho nas suas chances de contratação.”

Melhor que nada

Se você tem alguma lacuna na sua formação, um trabalho voluntário pode ser a melhor forma de preencher esse vazio, diz Jorg Stegemann da Kennedy Executive Search & Outplacement.

“Depois de seis meses, é sempre bom ter algo novo para botar no currículo. Trabalho voluntário é uma ótima opção.”

Quem está desempregado pode fazer trabalhos voluntários em sua área. Diretores financeiros, por exemplo, podem ajudar amigos a tomarem decisões estratégicas para seus negócios.

“Sem uma atividade constante, esse vazio vai ser interpretado como ‘estava em casa vendo TV'”, diz Stegemann.

Novamente a regra principal aqui é ser específico na hora de listar essa experiência.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here