Tudo sobre a Teoria dos Dois Fatores de Frederick Herzberg

921 Flares 921 Flares ×

Com certeza, em sua graduação, você já ouviu falar na Teoria dos Dois Fatores durante as aulas de Recursos Humanos, certo? Então você deve saber um pouco sobre a importância dela para o estudo do comportamento, motivação e satisfação das pessoas nas organizações, não é mesmo? Por isso, hoje vamos falar um pouco mais sobre ela. Fique ligado!

Tudo sobre a Teoria dos Dois Fatores de Frederick HerzbergA Teoria dos Dois Fatores foi desenvolvida pelo americano Frederick Herzberg, sendo publicada em seu livro “A Motivação para Trabalhar” (The Motivation to Work). Tal teoria teve por base entrevistas realizadas com diversos profissionais da área industrial de Pittsburgh. Seu objetivo era identificar os fatores que causavam a satisfação e a insatisfação dos empregados no ambiente de trabalho. Para isso, questionou os entrevistados sobre o que os agradava e os desagradava nas empresas em que trabalhavam.

Herzberg, então, dividiu estes relatos em dois fatores: motivacionais (os que agradavam) e higiênicos (os que desagradavam). Diferentemente de Abraham Maslow, que estudou a satisfação das necessidades das pessoas em diversos campos de sua vida, Herzberg procurou estudar o comportamento e a motivação das pessoas dentro das empresas, especificamente.

Nesta teoria, os fatores higiênicos são aqueles necessários para evitar que o funcionário fique insatisfeito em seu trabalho, porém, eles não são capazes de fazer com que ele se sinta completamente satisfeito. Para o autor, o oposto de satisfação não é a insatisfação, mas nenhuma satisfação. Bem como, o oposto de insatisfação não é a satisfação, mas sim nenhuma insatisfação.

Para facilitar o entendimento, separei abaixo a definição dos dois fatores de Herzberg, escrita pelo professor Marcelo Camacho. Acompanhe:

Fatores higiênicos

Dizem respeito às condições físicas do ambiente de trabalho, salário, benefícios sociais, políticas da organização, clima organizacional, oportunidades de crescimento, etc. Segundo Herzberg, estes fatores são suficientes apenas para evitar que as pessoas fiquem desmotivadas. A ausência desmotiva, mas a presença não é elemento motivador. São chamados fatores insatisfacientes, também conhecidos como extrínsecos ou ambientais.

Fatores Motivacionais

Referem-se ao conteúdo do cargo, às tarefas e às atividades relacionadas com o cargo em si. Incluem liberdade de decidir como executar o trabalho, uso pleno de habilidades pessoais, responsabilidade total pelo trabalho, definição de metas e objetivos relacionados ao trabalho e auto-avaliação de desempenho. São chamados fatores satisfacientes. A presença produz motivação, enquanto a ausência não produz satisfação. Também chamados de intrínsecos.

Vejam o quadro abaixo, que resume bem o que vimos até agora:

Fatores que levam à insatisfação

Fatores que levam à satisfação

Política da Empresa

Crescimento

Condições do ambiente de Trabalho

Desenvolvimento

Relacionamento com outros funcionários

Responsabilidade

Segurança

Reconhecimento

Salário

Realização

Ao final do estudo, Frederick Herzberg concluiu que os fatores que levavam à insatisfação profissional nada tinham a ver com aqueles que influenciavam na produção de satisfação dos trabalhadores. Assim, o autor percebeu que os fatores que causavam a satisfação dos trabalhadores estava relacionado ao seu trabalho, à tarefa desempenhada, sua natureza, responsabilidade, promoção etc.

Herzberg constatou, também, que os fatores que causam a insatisfação dos empregados são puramente ambientais, que não dizem respeito à tarefa desempenhada. São relacionados à natureza das relações interpessoais, condições do ambiente de trabalho, salário etc.

Esta teoria permite inúmeros outros estudos semelhantes. Com certeza, foi um marco na avaliação da satisfação e motivação dos trabalhadores no ambiente de trabalho. Caso tenha alguma observação, deixe um comentário abaixo. Participe!

10 COMENTÁRIOS

  1. Muito bom este post. Da para fazer uma comparação com qualquer ambiente de trabalho.
    A constatação da pesquisa é clara, mas é difícil de acreditar. O que te deixa insatisfeito é o oposto do que lhe deixa satisfeito. Que coisa hem!!!

    • Olá Samuel, tudo bom?
      Realmente, entender o q nos motiva e deixa satisfeito é algo complicado, mas ao mesmo tempo bem simples. Este estudo é bem interessante e o seu resultado traz diversas possibilidades para o estudo da motivação.
      Obrigado pela participação!
      Um abraço

  2. Pelo que eu entendi os Fatores Higiênicos diminui a insatisfação mas não motiva ninguem, porém, serve de pré-requisitos para a MOtivação Real???

    E a Motivação Real se não tiver os Fatores Higiênicos é falho?

  3. Penso que não podemos dizer que os factores higiénicos não motivam, todos ficaremos motivados com um aumento salarial pois não deixa de ser também uma forma de reconhecimento. A questão crucial é que nem sempre as empresas têm condições para dar esses aumentos e aí devem funcionar os factores motivacionais para manter a satisfação e bem estar geral que se reflecte sem dúvida no bom desempenho da empresa.

  4. Podemos comparar os fatores higiênicos da teoria do Hezberg com os serviços domésticos (limpeza, higienização de ambientes, arrumação, etc.) . Quando bem feitos nem reparamos direito, porém, quando deixam a desejar ficamos incomodados.

  5. Pela própria complexidade do ser humano, a satisfação das suas necessidade ou factores motivacionais nunca estiveram fora do mesmo trabalhador apenas ele procura imputar alguém que é o seu responsável pela sua insatisfação no local de trabalho bem como a organização em si ou mesmo os colegas. Proponho que está tarefa só será realizada quando o próprio homem encontrar a sua própria origem.

  6. Gustavo, parabéns pelo artigo, foi bem esclarecedor, sou Docente da área metal mecânica e uma das disciplinas que ministro inclui motivação, a Pirâmide das necessidades de Maslow e cito a teoria de Herzberg.

Deixe um comentário